Translate

sexta-feira, 22 de dezembro de 2017

Luxor testemunha o deslumbrante alinhamento do sol de inverno no Templo de Karnac



Centenas de turistas e egípcios se prepararam para a brisa fria para assistir o amanhecer de quinta-feira (21 de dezembro) no santuário do deus egípcio antigo, Amun Ra, no famoso Templo histórico de Karnac, em Luxor.

O governador de Luxor Mohamed Badr, o prefeito da cidade de Luxor, Osama al-Mandawa, e representantes do setor de turismo em Luxor estavam presentes para ver o fenômeno que ocorre uma vez por ano.

Os participantes assistiram o nascer do sol às 5:30 da manhã e seguiram o movimento dos raios do sol pelo templo até que se tornaram perpendiculares às 6:42 da manhã no santuário sagrado de Amun Ra (o centro do templo, um lugar em que apenas o o sumo sacerdote poderia entrar no antigo Egito).

O fenômeno continuou por 20 minutos, antes que os raios do sol se movessem para os portões do templo indo para o oeste, em direção ao templo da fascinante faraó, Hatshepsut.

Ahmed Awad, um pesquisador egípcio especializado na documentação de fenômenos astronômicos nos templos do antigo Egito, diz que o sol cai perpendicularmente no mesmo dia de cada ano, dia este que marcou o início da temporada de inverno no Egito Antigo.

O Templo de Karnak é um dos templos mais impressionante construídos pelos governantes do antigo Egito.

É um registro histórico da civilização egípcia da 12ª dinastia até o governo do Egito Ptolemaico, diz o presidente da Associação Egípcia para o Turismo e Desenvolvimento Arqueológico, Ayman Abu Zeid.

Abu Zeid procura colocar o fenômeno do alinhamento do sol no templo, na agenda do ministério para eventos do turismo, a fim de ajudar na divulgação do evento que ocorre uma vez por ano.

Fonte:
http://www.egyptindependent.com/luxor-witnesses-stunning-winter-sun-alignment-in-karnak-temple/

quarta-feira, 20 de dezembro de 2017

Igualdade entre os sexos



Quando o historiador grego antigo Heródoto (484 a 425 a.C.) visitou o Egito, ficou chocado ao ver como as mulheres se comportavam. Ao contrário das mulheres na Grécia antiga, as mulheres egípcias tinham os mesmos direitos que os homens. Trabalhavam, recebiam os mesmos alimentos de remuneração que os homens, bebiam e podiam se tornar soberanos poderosos.

Tal comportamento era completamente inaceitável na Grécia antiga, onde as mulheres não tinham nenhum direito e tinham que obedecer ao homem, que era o mestre da casa.
As mulheres gregas antigas tiveram que receber permissão do homem para deixar as casas femininas da casa. A situação das mulheres no antigo Egito era muito diferente. Na terra das pirâmides, não era incomum que as mulheres passassem seus dias visitando mercados e compras, seus maridos faziam tarefas domésticas comuns.

As mulheres no antigo Egito tinham igualdade de direitos como homens por mil anos, mas por que suas condições de vida diferiam tanto das mulheres que viviam em países vizinhos?

A resposta a esta pergunta pode ser encontrada na mitologia egípcia e crenças cosmológicas dos antigos egípcios.

No antigo Egito, as pessoas adoravam Maat (Ma'at), deusa da verdade, equilíbrio e ordem. Seu nome, literalmente, significava "verdade" em egípcio e ela era um símbolo de harmonia, equilíbrio e justiça. Os egípcios acreditavam que sem sua existência, o universo se tornaria um caos, mais uma vez.

Como mencionado anteriormente em Páginas Antigas, há uma semelhança impressionante entre os Dez Mandamentos e os 42 Princípios de Maat que apareceram pelo menos 2.000 anos anteriormente.

Os 42 Princípios de Maat foram criados para que os antigos egípcios pudessem seguir regras vitais e agir com honra e verdade de maneiras que envolvem a família, a comunidade, a nação, o meio ambiente e os deuses.

Os antigos egípcios viram o universo como uma dualidade completa de homens e mulheres. Quando o Universo nasceu, existia uma relação mútua entre deuses e deusas. Os deuses femininos eram tão importantes quanto os deuses masculinos. Por conseguinte, era necessário preservar um equilíbrio entre os deuses e as pessoas e entre os dois sexos. Deusa Maat foi responsável por manter esse equilíbrio.

Heródoto acreditava que os egípcios "inverteram as práticas comuns da humanidade" e o tratamento das mulheres no antigo Egito causou controvérsia entre outras culturas antigas, mas os egípcios mantiveram suas leis com base em suas crenças. Divórcio, educação, vontades, herança e a mesma punição por crimes.

As mulheres egípcias foram autorizadas a se divorciar se não estivessem mais felizes com seu marido. As mulheres ricas egípcias podiam estudar e obter uma educação adequada. Isso não era possível para as mulheres que vieram de famílias pobres devido à questões financeiras. Mulheres e homens recebiam o mesmo castigo pelo mesmo crime. A propriedade foi herdada através da família da mulher, e as mulheres conseguiram gerenciar suas terras, seus animais e suas próprias casas. As mulheres egípcias podiam fazer testamentos e até escolher qual dos seus filhos herdaria.

As mulheres egípcias poderiam se tornar faraós poderosas, mas foram desafiadas naturalmente por seus rivais masculinos. Uma vez que uma mulher se tornou um faraó, seus deveres não diferiam dos faraós masculinos.

Um bom exemplo de uma governante hábil e eficiente é o faraó Hatshepsut, que trouxe prosperidade para o antigo Egito.

Fonte: (Texto adaptado)
http://www.ancientpages.com/2017/12/18/ancient-egyptian-women-equal-rights-men-egyptian-cosmology-goddess-maat-reveal/?utm_source=newsletter&utm_medium=email&utm_campaign=ancient_pages_news_dec_18_19_2017&utm_term=2017-12-19

terça-feira, 19 de dezembro de 2017

Arqueólogos italianos descobrem a fortaleza dos faraós



A descoberta, divulgada pelo Ministério das Antiguidades do Egito, mostra uma das maiores fortalezas do Delta do Nilo e a mais bem preservada antes da era romana.

O local, el-Maskhuta, está situado a nordeste do Cairo, ao longo do Canal de Ismailia. A existência de uma grande cidade murada quadrangular foi identificada nos anos de 1800, mas nunca foi bem documentada.

A parede já era parcialmente visível no início da escavação, de acordo com Giuseppina Capriotti Vittozzi, gerente do Centro Arqueológico Italiano no Cairo. Vittozzi anunciou a descoberta de "uma enorme parede, com 22 metros de comprimento e oito metros de altura", em novembro.

"Conecta-se à fortaleza quadrada, duas paredes de 12 metros de comprimento [que] constituem uma estrutura defensiva diferente de proporções gigantescas", acrescentou.

Situado mais especificamente em Wadi Tumilat, um vale que que liga o Egito ao Levant, entre a terra dos faraós e a Palestina, a Síria e a Mesopotâmia.

O local também mostra vestígios de um assentamento de hicsos, estrangeiros que dominaram parte do Egito há mais de 3500 anos.

O projeto de escavação está sendo realizado pelo Instituto de Estudos do Mediterrâneo antigo do Conselho Nacional de Pesquisa, que vem trabalhando no local há alguns anos com a colaboração do Instituto de Tecnologias Aplicadas no Patrimônio Cultural.

Fonte:



segunda-feira, 18 de dezembro de 2017

Arqueólogos tentam desvendar mistério de templo de faraó guerreiro

Região do templo do faraó Tutmés III, em Luxor, Egito.

Um mistério com potencial para reescrever um capítulo da história do antigo Egito envolve a origem do templo de Tutmés III, o faraó guerreiro, e intriga a missão de arqueólogos dirigida pela espanhola Myriam Seco, que nesta semana onclui o décimo ano de escavações.

"Dos mistérios mais fascinantes, do ponto de vista histórico, é a origem do templo", disse o egiptólogo Javier Martínez Babón, no poeirento local das escavações em Luxor, onde um enxame de operários tenta recompor as ruínas deste santuário de 3.500 anos de antiguidade.

Analisando o quebra-cabeça de gravuras em arenito, quebradas em 16 mil pedaços, os arqueólogos descobriram que as obras do Templo de Milhões de Anos de Tutmés III foram iniciadas, de forma surpreendente, antes que este faraó chegasse ao trono, durante o governo de sua tia e madrasta, Hatchepsut.

O epigrafista, que evita tirar qualquer conclusão prematura, acredita que nas paredes do templo existem evidências de que aconteceu uma "perseguição" posterior contra a lendária rainha-faraó da XVIII dinastia.

Em alguns hieróglifos referidos a ela como "filha de Ra", a desinência feminina foi apagada por mãos desconhecidas e o texto foi transformado em "filho de Ra", um processo similar ao ocorrido em outros templos dedicados a Hatchepsut.

A supressão da imagem da rainha-faraó levou vários egiptólogos a defender a hipótese, não confirmada, de que Tutmés pode ter se vingado assim de sua tia por ter usurpado o trono, o que, se estiver certo, seria uma das intrigas palacianas mais antigas da história.

Antes de fazer qualquer avaliação, os arqueólogos espanhóis pretendem estabelecer a data do início das obras, para saber se começaram durante a regência de Hatchepsut, quando Tutmés era criança, ou depois de sua proclamação como rainha-faraó.

"É preciso ser muito prudente. A origem do templo é extremamente interessante. Vai dar o que falar", disse Martínez.

Os epígrafes e relevos encontrados no templo, embora no geral estejam muito fragmentados, também forneceram informações valiosas sobre as expedições militares que levaram Tutmés III a erguer um império e expandir as fronteiras do Egito desde o atual Sudão até as margens do rio Eufrates na Síria.

Martínez disse que até agora não havia registro da existência de relevos que ilustrassem as campanhas militares deste faraó, que viveu aproximadamente entre 1490 a.C. e 1436 a.C.

No entanto, no templo de Karnak, situado na cidade de Luxor e mais bem conservado, há hieróglifos que reproduzem os textos escritos pelos cronistas da corte que relatam as batalhas vencidas por Tutmés III, considerado o fundador de um império com uma extensão inédita para a época e que durou três séculos.

Entre outros detalhes curiosos, as inscrições mostraram que o faraó se dedicava à caça de elefantes - de raça asiática - em território sírio ao término de suas campanhas militares.

Os arqueólogos também encontraram vestígios no templo que demonstram a importância que os egípcios deram a Tutmés III muito depois de sua morte.

Concretamente, já foram encontrados milhares de amuletos com forma de escaravelho, de recipientes de argila e rolhas com selos em homenagem a Tutmés III e que serviam para realizar oferendas de vinho.

Estas oferendas foram realizadas no próprio templo, nas épocas de vários faraós, ao longo de 250 anos, entre eles Tutmés IV, Amenófis III, Horemheb, Ramsés I e Ramsés II, que mostraram deste modo sua veneração ao fundador do império.

Os arqueólogos espanhóis, que estão há dez anos explorando a história de Tutmés III, esperam estender seus trabalhos por pelo menos mais sete anos, e para isso contam com o apoio de patrocinadores, entre os quais se destacam a Fundação Botín e também o Santander Universidades, a Cemex e a Cajasol, além da recém-incorporada FCC.

Texto de Manuel Pérez Bella.

Retirado na íntegra de:

sexta-feira, 15 de dezembro de 2017

Túmulos infantis intactos foram descobertos em Gebel el-Silsila

O Dr. Mostafa Waziry (Secretário-Geral do Conselho supremo das Antiguidades) anunciou que durante as escavações em curso, a missão arqueológica sueco-egípcia (Universidade de Lund), liderada por Maria Nilsson e John Ward, em cooperação com o Ministério da Antiguidades representadas pelo Sr. Abdel Manem Saed (Diretor das Antiguidades de Assuan), descobriram vários túmulos infantis intactos, bem como criptas e câmaras para adultos na Necrópole da 18ª Dinastia em Gebel el-Silsila, na região de Assuan.


Além dos sarcófagos e caixões, foram achados também itens de cerâmica (frascos de cerveja intactos, vasos de vinho, pratos e tigelas), pulseiras de bronze, uma navalha de bronze, amuletos, jóias, têxteis, "gesso" e madeira. Os enterros de crianças e os itens encontrados intactos - alguns únicos e outros, primeiro de sua espécie, em Gebel el-Silsila, com seus bens funerários in situ, adicionam informações importantes sobre os costumes funerários locais e contemporâneos, informações patológicas (saúde geral e lesões) e adicionam pistas na organização social e econômica do local durante o reinado de Tutmés.











quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

Depois de 200 anos, a triste história de Qurna, está chegando ao fim

Om Ahmed tem o privilégio de uma vista adorável, mas ninguém para compartilhá-la.

Om Ahmed é uma das poucas habitantes restantes de Qurna. (Roger Anis)

Todos os seus vizinhos se foram, suas casas lentamente se derrubam na rígida brisa do Nilo. A maioria dos edifícios circundantes já foram destruídos. Com exceção dos trabalhadores escavando um túmulo debaixo dela e da turfa perdida ocasional ou deserta do deserto, essa senhora velhinha raramente vê outra alma. "É muito solitário", diz ela. "Você não pode imaginar o quão solitário".

E, no entanto, Ahmed, uma mulher alegre do final dos anos 60, não abandonará sua casa. Não agora, nem nunca, ela insiste. Como um dos poucos habitantes restantes da comunidade egípcia de Qurna, ela tem a intenção de morrer onde ela nasceu. Ela está ansiosa para arrastar um dos mais controversos capítulos da arqueologia um pouco mais. "Somos vítimas de uma das grandes injustiças", diz ela, gesticulando com raiva no posto da polícia ao pé da colina. "Eles levaram nossas casas. Eles levaram nossa cultura. Eles assumiram nosso modo de vida. Isso é imperdoável. "

Desde os primeiros dias de escavações de antiguidades organizadas no Egito, há mais de 200 anos atrás, arqueólogos e funcionários do governo se estabeleceram em Qurna, uma aldeia já bem conhecida de Om Ahmed. Através das colinas baixas e áridas da margem ocidental do Nilo, entre os túmulos da necrópole de Tebas e em frente a Luxor, havia o coração de uma das maiores concentrações mundiais de tesouros históricos. Ao longo das grandes escavações do século XIX e início do século XX, a aldeia e seus habitantes desempenharam um papel fundamental de apoio. Qurnawis fez o trabalho pesado quando Howard Carter descobriu o túmulo de Tutancâmon em 1922. Mesmo agora eles fornecem a maior parte do trabalho em muitos locais de escavação.

Mas em Qurna, as autoridades do Cairo logo perceberam que seus habitantes estavam usando sua proximidade com as antiguidades para saquear em escala industrial. Suas casas, dentro dos antigos túmulos da era faraônica, e mais tarde em cima deles, eram preciosas heranças. À medida que os funcionários das antiguidades e a comunidade arqueológica lutaram para impedir o roubo de túmulos no final dos anos 1900, muitos se viram impotentes diante de Qurna. "Os Qurnawis são uma parte fundamental da história da área, mas os arqueólogos negaram-lhe qualquer história na montanha", diz Caroline Simpson, pesquisadora e ativista de longa data pela causa dos aldeões. "Eles foram tratados terrivelmente".

Essa saga sórdida começou no final do século XVIII, quando os aventureiros europeus começaram a viajar pelo Nilo. Eles ficaram encantados com os templos, muitos dos quais ainda estavam enterrados areia até o teto e seduzidos pelos campos quase impossivelmente verdes devido ao rio. A única coisa que não atendia às suas expectativas românticas eram muitos dos próprios locais. "Esses pestaneos fellahs", escreveu Charles Sonnini de Manoncourt, naturalista francês depois de uma visita à antiga Tebas em 1800. "Este lugar é verdadeiramente detestável".

Uma vez a capital do reino médio e do reino novo, Tebas tinha sido principalmente reduzida a ruínas e escombros no momento em que os estrangeiros começaram a chegar cerca de 5000 anos depois. Os grandes templos, anteriormente acessíveis apenas aos sumos sacerdotes, haviam sido salvas pelos elementos e canibalizados para materiais de construção pelos governantes subsequentes. E algumas das aldeias que se desenvolveram em seu lugar foram povoadas por bandidos e dissidentes políticos fugindo do braço curto do estado no Cairo, ao norte. Ainda em grande parte intacta, no entanto, eram a maioria dos antigos funerários em que dezenas de faraós e milhares de nobres haviam sido colocados para descansar - muitos sob Qurna.

Quando Napoleão voltou para casa depois de sua invasão e ocupação do Egito de 1798-1801, analisou os relatos ricamente detalhados sobre os esplendores de Luxor, e tão logo, a antipatia para os Qurnawis apenas aumentou. As potências européias começaram a clamar pelas coleções de antiguidades faraônicas próprias. Tornou-se uma questão de prestígio, uma "corrida de obelisco" para descobrir tesouros enterrados, com as pessoas que vivem entre os túmulos lançados como concorrência injusta e sem cultura.

Os aldeões, às vezes, foram seu próprio pior inimigo, como quando, em 1871, o residente de Qurna, Ahmed Abdel Rasool, avistou o Templo de Hatshepsut. Salvando as notícias da descoberta, ele e seu irmão discretamente trocaram seus tesouros, incluindo dúzias de múmias, sempre que precisavam de dinheiro. A lenda diz que eles até mataram um burro e derrubaram sua carcaça pela entrada do túmulo para mostrar aos outros o perigo de insetos devido à múmia dando a entender que o achado era amaldiçoado. Alguns Qurnawis ainda se perguntam se a continuação da associação com este crime notório acabou por aumentar a antipatia em relação à eles. "Nós tínhamos um ladrão famoso que vivia entre nós, então talvez as pessoas pensassem que nós éramos todos assim", diz Ahmed Abdel Rady, curador de um pequeno museu dedicado à história recente de Qurna.

De forma similar, milhares de saques foram realizados durante as décadas subsequentes. Um aldeão encontrou e vendeu um barco sagrado, que data da décima quinta dinastia, cerca de 3.500 anos atrás, alegadamente adquirindo 40 acres de terra com o produto. Logo depois, outros Qurnawis descobriram e depois derrubaram dezenas de bugigangas elaboradas, despertando uma indignação compreensível entre os arqueólogos. Com a tão célebre abertura do túmulo do rei Tut, os moradores imaginaram que muitos dos outros 3.000 a 4.000 túmulos que salpicaram a margem ocidental do Nilo continham riquezas semelhantes e começaram a vasculhar a necrópoles. "Tudo isso realmente começou depois de [Tut]", diz Abdou Osman, Tai Daramali, um Qurnawi nativo e um capataz em uma escavação arqueológica liderada pela Suíça. "Isso fez as pessoas pensarem que todas as tumbas tinham muito ouro". Com a Grande Depressão e depois a Segunda Guerra Mundial, a área foi privada de turistas, e os habitantes locais tiveram que lidar com o abandono. A nefasta reputação de Qurna foi selada.

"Eu não entendo ninguém que diz que devemos deixar essas pessoas lá", diz Zahi Hawass. "Eles cavam sob suas casas, para dentro desses túmulos, e depois usam eles para esconder coisas. É completamente inaceitável! "

Isso, no entanto, é apenas metade da história, dizem Qurnawis, e a única metade que alguns oficiais e arqueólogos se preocupam em lembrar. Quem, afinal, estava comprando esses tesouros? - perguntam os antigos vizinhos. E quem os tirou do Egito? "Obviamente, não nós", diz Said Morsi, que dirige um restaurante pela estrada de Dra 'Abu Al-Naga', uma das meia dúzias de aldeias de colinas que coletivamente constituíram Qurna. "Não é como se pudéssemos levar as coisas ao aeroporto e levá-las para fora".

Na raiz da raiva duradoura dos aldeões há uma sensação de que eles eram apenas uma engrenagem em uma grande estafa internacional. Antes da chegada dos europeus, havia um pequeno roubo, nem parecia ser uma grande população que vivia entre os túmulos (embora a invasão de túmulos tivesse florescido na era antiga). Foi só quando os agentes de compras estrangeiros, entre eles representantes dos governos francês, britânico, russo, belga e italiano, criaram um acampamento que busca levar coleções públicas e privadas para casa, que a exportação do patrimônio do Egito realmente decolou.

"Porque a exploração de múmias era ilegal e suspeita religiosamente, os próprios europeus contribuiram na criação de linhas de comunicação, rotas de abastecimento e organização e supervisão de fornecedores locais", escreve Kees van der Spek, autora dos Modern Neighbors of Tutankhamun: História, Vida e Trabalho nas Aldeias da Theban Cisjordânia. Os egiptólogos estrangeiros, a maioria dos quais franceses, dominaram o ministério das antiguidades do Cairo até o século XX. Sob o seu relato, metade dos tesouros escavados foram entregues ao estado egípcio, e o resto foi expedido no exterior. (Até 1947, o Museu Egípcio vendeu antiguidades genuínas em sua loja de presentes.)

À medida que o apetite pelos tesouros do Egito cresceu no exterior, a infra-estrutura de Qurna se expandiu com ele. Conteúdo suficiente até esse ponto para viver nos túmulos, que foram apreciados por suas temperaturas frescas durante os verões tortuosos, alguns aldeões começaram a imitar os arqueólogos estrangeiros, um número de quais tinham construído casas à beira da planície de inundação do Nilo ao longo do final 1800s. As casas dos Qurnawis, com o encanamento vazado e a disposição inadequada de lixo, foram mais tarde culpadas por inundar inúmeras tumbas, embebendo - e muitas vezes destruindo - murais finamente pintados. E seus números aumentaram, enquanto outros locais procuravam compartilhar os despojos. "Pouco há para uma múmia inteira ser obtida por amor ou dinheiro em Tebas", escreveu Isabella Romer, uma turista britânica visitante em 1846. Era tudo uma questão direta de oferta e demanda, dizem os moradores. "Os estrangeiros queriam tantas antiguidades quanto pudessem encontrar, e assim as pessoas começaram a viver na montanha para trabalhar para elas", diz Ahmed Abdul Rasool, gerente do hotel e bisneto do famoso ladrão de túmulos. "Foi assim".

Em última análise, no entanto, nenhuma dessas circunstâncias atenuantes importava. As autoridades egípcias queriam que Qurna acabasse, e, no final da década de 1940, eles trabalhavam duro para tornar isso realidade. A atenção foi novamente despertada por outro roubo na aldeia (desta vez os perpetradores cortaram e tiraram uma grande pedra esculpida de uma das tumbas), funcionários da antiguidade contrataram Hassan Fathy, um jovem arquiteto célebre e bem conectado, para construir uma aldeia substituta. Sua criação, um grupo de casas, cujos restos ainda estão de acordo com o Colossi de Memnon, era atraente, mas, no final, era pouco prático para atrair muitos Qurnawis de suas casas. Entre seus muitos erros, ele criou cúpulas de estilo nubiano em suas novas casas, uma característica que os nativos usavam apenas em seus mausoléus. "Eles associaram sua aldeia com a morte", diz Caroline Simpson.

E então, a partir de meados da década de 1990, os funcionários tentaram novamente, desta vez com a maquinaria completa do estado à sua disposição. Trabalhando com um plano projetado para tornar Luxor mais apresentável e, desse modo, maximizar seu potencial turístico, eles deram algumas boas casas alternativas de Qurnawis com grandes manchas, uma espécie de estratégia de divisão e conquista. "Eles sabiam como nos manter afastados", diz Daramali. "Você não pode lutar quando você é fraco." Logo depois, o governo cortou a eletricidade para a aldeia, tentando forçar aqueles que permaneceram. As empresas estavam fechadas; Os funcionários residentes do governo tiveram seus salários congelados. Finalmente, entre 2006 e 2009, o governador ordenou as escavadeiras e arrasou dezenas de casas, incluindo um número que foi marcado como patrimônio por direito próprio.

Pela primeira vez desde que sacerdotes e artesãos se instalaram entre os túmulos da era faraônica, a "montanha" era estéril e quase desprovida de vida. "O lugar lembra-me agora de um campo de golfe antes de colocar o gramado", diz Kent Weeks, um veterano arqueólogo americano que lidera o Theban Mapping Project e trabalha na região há mais de 50 anos. Hoje em dia, apenas Qurnat Marei, supostamente preservado como um conjunto de filmes, e alguns permanentes tenazes, como Om Ahmed, permanecem. Onde uma vez milhares de residentes se movimentaram para frente e para trás, agora apenas policiais de aparência furiosa vagam.

"Eu diria que dois anos de pastoreio ministerial do local provavelmente causaram tanto dano quanto um século de vida de Qurnawi", disse um arqueólogo de alto nível sob anonimato pelo medo de antagonizar o ministério. Se eles estivessem ansiosos para evitar novas invasões de túmulos, esse navio tinha navegado. Embora alguns habitantes locais ofereçam periodicamente aos turistas - e repórteres - escaravelas à venda, não houve provas de saques generalizados em torno de Qurna há anos.

Mais infelizes de todos, é claro, são os Qurnawis, que agora estão espalhados entre pelo menos cinco ou seis outras aldeias, a algumas milhas de distância. Sua comunidade fechada foi destruída, suas tradições em desordem. "Eu costumava ver minha mãe todos os dias, mas agora talvez todas as semanas", diz Daramali. "Eles nos dividiram, o que é o pior que poderiam ter feito". Como o alicerce do trabalho arqueológico na Cisjordânia, com pelo menos 1000 homens escavando o templo mortuário de Amenhotep III e vários outros locais, eles estão mais longe de seus locais de trabalho. Apesar da insistência de Zahi Hawass de que as novas aldeias são "grandes e lindas", muitos se queixam de que seus novos bairros são apertados e quentes. Quase todos, ao que parece, estão mais pobres e com experiências ruins.

"Sem as casas e as pessoas, a montanha parece triste", diz Ahmed Abdel Rasool. "Parece um lugar morto. É uma vergonha."

(Texto de Peter Schwartzstein)

Fonte:

terça-feira, 12 de dezembro de 2017

Assista: a múmia egípcia de 2000 anos passa sob o scanner no hospital de Nova York

Médicos do Crouse Hospital em Syracuse, Nova York, obtiveram o privilégio especial de estudar um cadáver de 2000 anos de idade no domingo. Raramente um médico especialista consegue diagnosticar uma múmia antiga. Então, como os médicos, enfermeiros e funcionários do Crouse Hospital se encontraram com um artefato egípcio perfeitamente preservado?

"Sr. Robert James Hubbard, em 1890, nos deu o edifício da biblioteca, e naquela época ele queria que ele fosse um museu também ", disse Betsy Kennedy na Biblioteca de Cazenovia, informou a fonte de notícias local, SYR.

"Então, em 1894, ele foi ao Egito para comprar uma múmia e outros artefatos egípcios para que em Cazenovia tivéssemos um pequeno museu", acrescentou.

A múmia, chamada Hen, foi levada ao hospital domingo para uma tomografia computadorizada para encontrar mais informações sobre ela. Os funcionários do hospital testemunharam o paciente mais antigo da instalação ser submetido a um "exame".

"Ela teve um tumor em sua fíbula, que é um dos dois ossos da perna", disse o Dr. Mark Levinsohn. "Olhando para ele, vemos todas as características de um tumor maligno e um pouco raro. Então, aqui temos uma circunstância rara e um tumor raro e isso evocou muito nosso interesse".

O fato de os médicos poderem identificar exatamente o tipo de tumor que a múmia teve, revelou até que ponto a ciência médica progrediu. Enquanto a múmia foi digitalizada em 2006, a falta de tomografia computadorizada avançada e ferramentas de biópsia na época significava que não havia como saber o tipo de câncer que a múmia tinha sofrido durante a vida.

"Desde então, nos últimos dez anos, eles atualizaram o equipamento", acrescentou Levinsohn. "O que, na época, era um scanner de 16 detectores, agora é um scanner de detector 320 e todas essas informações adicionais agora são derivadas quando examinamos o corpo. Então, podemos contar com todos os tipos de detalhes maiores".

Assista ao video abaixo:



Se não conseguir, clique aqui.

Fonte:
http://www.ibtimes.com/watch-2000-year-old-egyptian-mummy-goes-under-ct-scanner-new-york-hospital-2626841

Duas múmias descobertas em Elfantina passam por varredura de raio-X




A primeira múmia remonta a cerca de 3000 a.C, enquanto a segunda data do início do Médio Reino do Egito, que existia em torno de 1950 a.C.

A Universidade de Assuão disse em uma declaração que a descoberta vem após um exame conjunto e cooperação entre a Universidade de Assuan, liderada pelo professor Ahmed Gallab, a Universidade de Caiena em Espanha e o Ministério das Antiguidades do Egito.

A tecnologia de digitalização mais recente foi utilizada no raio-X, que, de acordo com a afirmação, é capaz de realizar simultaneamente simultaneamente 124 segmentos radiais, com alta qualidade e precisão.

Os egiptólogos acreditam que ambas as múmias provavelmente morreram de flutuações gastrointestinais agudas.

Não houve vestígios de hematomas ou qualquer outro tipo de doença nas múmias, de acordo com a afirmação.

O estudo das duas múmias começou em maio na Universidade de Assuan, representado pelo Presidente da Universidade e Vice-Presidente da Universidade de Pós-Graduação, Professor Ayman Osman, além da Faculdade de Arqueologia, diz o comunicado.

Fonte:

Arqueólogos egípcios descobrem múmia que pode ter 3 mil anos

Arqueólogos restauram uma múmia encontrada em tumba na cidade egípcia de Luxor, neste sábado (9) (Foto: Stringer/AFP)

Arqueólogos egípcios descobriram uma múmia enterrada em um túmulo ainda não explorado em Luxor, às margens do rio Nilo, informou o Ministério das Antiguidades neste sábado (9).

A arqueóloga alemã Frederica Kampp encontrou essa tumba e outra adjacente na década de 1990, mas não chegou a entrar nas jazidas, explicou o Ministério.

As duas tumbas foram registradas com números por Kampp e datam, possivelmente, da época do Novo Reino, há cerca de 3 mil anos.

Desde a descoberta de Kampp, "ambas as tumbas haviam permanecido intactas" até a missão arqueológica iniciar seus trabalhos.

O ministro de Antiguidades, Khaled al-Enany, foi a Luxor anunciar a descoberta na necrópole de Draa Abul Nagaa, perto do conhecido Vale dos Reis, onde foram enterrados muitos faraós. Entre eles, está Tutancâmon.

Al-Enany relatou que, além dos objetos funerários, os arqueólogos encontraram "uma múmia envolvida em linho". Análises preliminares apontam para "um funcionário de alto escalão, ou uma pessoa poderosa".

O túmulo pode pertencer a "uma pessoa conhecida como Djehuty Mes, cujo nome aparece em um dos muros", ou "ao escriba Maati, já que seu nome e o nome de sua esposa, Mehi, estão inscritos em 50 cones funerários encontrados na câmara retangular da tumba".

Arqueólogos restaurando artefatos na esperança de atrair visitantes do museu (AFP / Getty)

Fonte:

segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

Tesouros do túmulo do rei Tut estão vindo em uma turnê mundial

Egypt's antiquities chief Zahi Hawass supervises the removal of the linen-wrapped mummy of King Tutankhamun from his stone sarcophagus in his underground tomb in the famed Valley of the Kings in Luxor, 04 November 2007. Photo courtesy of Ben Curtis/AFP/Getty Images.
O chefe das antiguidades do Egito, Zahi Hawass, supervisiona a remoção do tecido do rei Tutancâmon de seu sarcófago de pedra em seu túmulo subterrâneo no famoso Vale dos Reis em Luxor, em 04 de novembro de 2007. Curta cortesia de Ben Curtis / AFP / Getty Images.
À medida que o 100º aniversário da descoberta do túmulo de Tutancâmon se aproxima, os artefatos do lendário local estão viajando em turnê internacional por 10 cidades. O último lugar de descanso do rei menino, imperturbado e completamente intacto, foi descoberto pelo arqueólogo inglês Howard Carter em 4 de novembro de 1922, seus tesouros dourados inflamando a imaginação de pessoas ao redor do mundo.
A próxima exposição, intitulada "King Tut: Treasures of the Golden Pharaoh", estreará em Los Angeles em 24 de março de 2018. O evento sem precedentes, com jóias de ouro, esculturas e objetos rituais, será uma "exposição única na vida".
Removal of the gilt shrine from the Tomb of Tutankhamun, Valley of the Kings, Egypt, 1922–23. Photo by Harry Burton, courtesy of Heritage Image Partnership Ltd./Alamy Stock Photo.
Remoção do santuário dourado do túmulo de Tutancâmon, Vale dos Reis, Egito, 1922-23. Foto de Harry Burton, cortesia de Heritage Image Partnership Ltd. / Alamy Foto de arquivo.
Ela contará com 150 objetos originais do famoso túmulo, sendo a maior coleção de artefatos do rei Tut a ser exibida internacionalmente. Em comparação, a famosa exposição "Tesouros de Tutankhamun" que visitou sete cidades americanas entre 1976 e 1979, que desencadeou uma segunda rodada de egiptomania, apresentou apenas 55 peças. 
Nesta, 60 dos trabalhos incluídos estarão saindo do Egito pela primeira vez. "Veja-os, visite-os, antes de retornarem ao Egito para sempre", disse Mostafa Waziry, secretário-geral do Ministério de Estado das Antiguidades do Egito, em um vídeo que anuncia o show de turismo.

Wooden Guardian of Ka statue from the tomb of Tutankhamun. ©Laboratoriorosso, Viterbo/Italy.
Estátua do guardião de madeira do túmulo de Tutancâmon. ©Laboratorio, Viterbo/Itália.
"Cada objeto é único", acrescentou o arqueólogo Zahi Hawass, o ex-chefe das antiguidades do Egito, chamando o show de "uma conquista monumental para a preservação da antiga história egípcia e do lugar do rei Tutancâmon nele".
Além de mostrar peças históricas, como a estátua de um guardião em madeira e uma cama funerária cerimonial, a exposição " irá aprofundar. Ela entrará na ciência e ajudará as pessoas a entender como nosso conhecimento e nossa compreensão da ciência nos permitiram aprender mais sobre esses objetos ", disse Jeff Rudolph, presidente do Centro de Ciências da Califórnia. Isso inclui testes de DNA na múmia do rei Tut e o trabalho de conservação contínua que mantém essa parte importante do nosso patrimônio mundial.
The restorer Ahued El Sheikka carries out a complete restoration of two shields from the tomb of Tutankhamen. Photo courtesy of Philippe Bourseiller/Getty Images Reportage.
O restaurador Ahued El Sheikka realiza uma completa restauração de dois escudos do túmulo de Tutancâmon. Foto cortesia de Philippe Bourseiller / Getty Images Reportage.
Ao longo de suas viagens, a exposição é segura impulsionará o turismo local. Quando o show de turnê "Tutankhamon e a Era de Ouro dos Faraós" atingiu os EUA no Museu de Arte do Condado de Los Angeles em 2005, atraiu quase um milhão de visitantes, gerando US $ 168 milhões em turismo para a cidade.
De acordo com o Los Angeles Times, os organizadores esperam que o show gaste US $ 109 milhões a 272 milhões. A Emsi, uma empresa de análise econômica, estima que serão criados 1.045 empregos.
Para a partilha do Egito, o país colocará um produto da exposição no Grande Museu egípcio do Cairo, que teve dificuldades financeiras. O museu está com atraso prolongado na inauguração mas agora há previsão de ser parcialmente aberto em maio de 2018.
Howard Carter and an Egyptian workman examine the third coffin of Tutankhamun made of solid gold, inside the case of the second coffin (October 1925). Photograph by Harry Burton, courtesy of INTERFOTO/Alamy Stock Photo.
Howard Carter e um trabalhador egípcio examinando o terceiro sarcófago de Tutancâmon feita de ouro sólido, dentro do segundo sarcófago (outubro de 1925). Foto de Harry Burton, cortesia de INTERFOTO / Alamy Stock Photo.
Veja mais artefatos da exposição abaixo.
Wishing cup in the form of an open lotus from the tomb of Tutankhamun. ©Laboratoriorosso, Viterbo/Italy.
Taça sob a forma de um lótus aberto do túmulo de Tutancâmon. ©Laboratorio, Viterbo/Itália.
Gilded wooden shrine from the tomb of Tutankhamun. ©Laboratoriorosso, Viterbo/Italy.
Santuário de madeira dourada do túmulo de Tutancâmon. ©Laboratorio, Viterbo/Itália.Gilded wooden jackal-headed figure of Duamutef from the tomb of Tutankhamun. ©Laboratoriorosso, Viterbo/Italy.
Estátua de cabeça de chacal dourada de Duamutef do túmulo de Tutancâmon. ©Laboratorio, Viterbo/Itália.
Shrine made of wood covered with gold foil inside and gold leaf outside, from the tomb of Tutankhamun. ©Laboratoriorosso, Viterbo/Italy.
Santuário feito de madeira e folha de ouro em frente ao túmulo de Tutancâmon. ©Laboratorio, Viterbo/Itália.
Gilded wooden funerary bed from the tomb of Tutankhamun. ©Laboratoriorosso, Viterbo/Italy.
Cama funerária de madeira dourada do túmulo de Tutancâmun. ©Laboratorio, Viterbo/Itália.
King Tut: Treasures of the Golden Pharaoh,” pode ser vista em California Science Center, Los Angeles, 700 Exposition Park Drive, em 24 de março de 2018 à janeiro de 2019. Ela então viajará para a Europa. 

Fonte:
https://news.artnet.com/exhibitions/king-tut-100th-anniversary-world-tour-1164650

terça-feira, 5 de dezembro de 2017

Arqueólogos encontram evidências da passagem de Júlio César pela Grã-Bretanha

Vista das escavações da Universidade de Leicester na Ebbsfleet em 2016 mostrando a Baía de Pegwell e os penhascos de Ramsgate CRÉDITO: UNIVERSIDADE DE LEICESTER

A primeira invasão romana da Grã-Bretanha por Júlio César em 55a.C. é um fato histórico.

No entanto, apesar de uma enorme frota de legionários de 800 navios, nenhuma evidência arqueológica para o ataque ou quaisquer restos físicos de acampamentos já foram encontrados.

Mas agora uma escavação realizada antes devido à um projeto de construção de estradas em Kent trouxe a tona o que pode ser a primeira prova sólida da invasão.

A forma do fosso na Ebbsfleet, é semelhante às defesas romanas em Alésia, na França, onde ocorreu uma batalha decisiva na Guerra Gaúcida em 52 a.C.

Especialistas também descobriram que Pegwell Bay é uma das únicas baías na vizinhança, que poderia ter fornecido um porto para uma enorme frota de navios. E sua topografia coincide com as próprias observações de César do local de parada.

O Dr. Andrew Fitzpatrick, Associado de Pesquisa da Escola de Arqueologia e História Antiga da Universidade de Leicester, disse: "César descreve como os navios foram ancorados em uma costa comprida e aberta e como eles foram danificados por uma grande tempestade. Esta descrição é consistente com a Baía de Pegwell, que hoje é a maior baía da costa do leste de Kent e está aberta e plana.

 "A baía é grande o suficiente para todo o exército romano ter desembarcado em um único dia como César descreve. Os 800 navios, mesmo que ancorassem em ondas, ainda precisariam de uma frente de aterrissagem de 1-2 km de largura.

"César também descreve como os britânicos se reuniram para se opor à parada, mas, surpreendidos pelo tamanho da frota, eles se esconderam no chão mais alto. Isso é consistente com o terreno mais alto da Ilha de Thanet em torno de Ramsgate ".

Thanet nunca foi considerado como um possível local de ancoragem antes porque foi separado do continente até a Idade Média pelo Canal de Wanstum. A maioria dos historiadores especulou que o desembarque aconteceu no Deal, que fica ao sul da Baía Pegwell.

Mas os especialistas acreditam que o Canal Wantsum não foi um desafio para as capacidades do Exército Romano.

Embora o local da Ebbsfleet pareça estar no interior, no momento da invasão, seria muito mais perto da costa. A vala é de cerca de 15 pés (4-5 m) de largura e 6 pés (2 m) de profundidade e é datada por cerâmica e data de radiocarbono até o século I a.C.

O tamanho, a forma, a data das defesas na Ebbsfleet e a presença de armas de ferro, incluindo Roman Pilum (dardo), todos sugerem que o site da Ebbsfleet era onze uma base romana da data do século 1 a.C.

A nova evidência também está desafiando a longa crença de que a invasão foi uma falha porque Caesar voltou para a França, sem completar o plano.

O professor Colin Haselgrove, investigador principal do projeto da Universidade de Leicester, explicou: "Parece provável que os tratados criados por César constituíam a base para alianças entre Roma e famílias reais britânicas.

"Isso acabou resultando em líderes líderes do sudeste da Inglaterra tornando-se reis clientes de Roma. Quase 100 anos depois de César, em 43 d.C, o imperador Claudius invadiu a Grã-Bretanha.

"A conquista do sudeste da Inglaterra parece ter sido rápida, provavelmente porque os reis nesta região já estavam aliados à Roma.

"Este foi o início da ocupação romana permanente da Grã-Bretanha, que incluiu País de Gales e alguns da Escócia, e durou quase 400 anos, sugerindo que Claudius mais tarde explorou o legado de César".

As descobertas serão transmitidas na BBC Four's Digging For Britain. O episódio Oriental, no qual Ebbsfleet aparece, será o segundo programa da série e foi transmitido na quarta-feira, 29 de novembro de 2017.

Fonte:

segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

Descoberta de 27 estátuas da deusa leoa Sekhmet

Foto de 2006 mostra a descoberta de uma estátua da deusa Sekhmet em Luxor, no Egito - EGYPTIAN SUPREME COUNCIL OF ANTI/AFP/Arquivos

Uma missão egípcio-européia descobriu 27 estátuas da deusa leoa Sekhmet, através do Nilo, na cidade de Luxor, ao sul do Egito, disse o ministro das antiguidades no domingo.


As estátuas da deusa, conhecidas como A Senhora da Guerra, foram encontradas no chão na área dos Colossos de Memnon, à margem oeste da cidade, que costumava ser uma capital para o antigo Egito, informou o ministério em um comunicado.

Sekhmet tinha o corpo de uma mulher e a cabeça de uma leoa feroz, com uma cabeça com o disco do sol e era uma das deusas conhecidas como Olho de Ra, o deus do sol.

As estátuas recém-encontradas eram de cerca de dois metros de altura e esculpidas em granito preto, disse o ministério citando Mostafa Waziri, secretário-geral do Conselho Supremo de Antiguidades.

As estátuas tinham a cabeça da deusa "coroada por um disco solar" enquanto uma cobra "adornava sua testa", disse Waziri.

Algumas eram de Sekhmet "sentados no trono, segurando o símbolo da vida em sua mão esquerda", enquanto outros eram "de pé e segurando o cetro do papiro", acrescentou.

A escavação começou no dia 7 de novembro e durou até o final do mês, disse Hourig Sourouzian, que liderou a missão.

A missão encontrou estátuas adicionais no final de novembro, elevando o número total para 39, disse Sourouzian à AFP.

As estátuas que foram encontradas mais perto da superfície terrestre estavam em boas condições, ao contrário das outras encontradas mais profundas no chão, citou Sourouzian.

A missão estava preparando as estátuas descobertas para exibição, disse ela.

A missão descobriu 287 estátuas de Sekhmet desde que começou seu trabalho de escavação em 1998, disse o ministro, citando Fathi Yassin, diretor-geral da West Bank Antiquities em Luxor.

Luxor, uma cidade de meio milhão de pessoas nas margens do Nilo, uma antiga capital egípcia conhecida como Tebas durante os tempos antigos, é abundante em templos e túmulos construídos pelos faraós do Egito.

Fontes:

Pesquisadora da UN escava Templo de Tutmósis III


Inmaculada Delage numa escavação 


UNIVERSIDADE DE NAVARRA


Inmaculada Delage, arqueóloga e pesquisadora da Universidade de Navarra, faz parte de uma missão espanhola encomendada para estudar o Templo de Tutmósis III, em Luxor. O objetivo deste grupo, liderado pela arqueóloga e egiptóloga Myriam Seco, é valorizar este faraó, que reinou no Egito entre 1479 e 1425 a.C. e que recebeu o apelido de "Napoleão egípcio".

O grupo espanhol é responsável por realizar a escavação, pesquisa, restauração e musealização deste templo, localizado a oeste da cidade de Luxor, que está localizado na antiga cidade de Tebas, capital do grande império egípcio.

Apesar da sua importância na história do Egito, Thutmósis III passou despercebido até recentemente, eclipsado por outros reis bem conhecidos, como Tutancâmon e Ramsés II. Durante o seu reinado, o governante transformou o país em um verdadeiro império, estendendo suas fronteiras da Síria central para o norte do atual Sudão, que lhe deu, no momento, o apelido de "egípcio Napoleão".

"Todos os dias, por sete horas, tenho em minhas mãos a história do Egito. Encontramos objetos religiosos, vida cotidiana, construtivo, ritual, entre muitas outras coisas. Isso nos permite aproximar-nos do que era a vida há mais de 3500 anos ", diz Delage. As intervenções no templo, um dos melhores exemplos de construção em adobe da dinastia XVIII e caracterizada por ter sido escavada parcialmente na montanha, são desenvolvidas a partir do ano de 2008 em campanhas de três meses.

A pesquisadora da Universidade de Navarra participou do trabalho em 2014, realizando tarefas de documentação do corpus iconográfico do templo e, depois de dois anos, voltou a fazer parte da equipe por dois meses, na atual campanha de 2017. Delage ele é responsável por duas áreas de escavação, a primeira delas na capela dedicada à deusa Hathor e a outra na área de produção e armazenamento, que abrangeu as diferentes necessidades derivadas do templo, conhecidas como Armazéns e oficinas.

"Este país tem magia, tem um halo especial que parece estar latente. Sua história é fascinante, sua cultura não tem comparação com nenhuma outra e cavando aqui é o sonho da minha vida ", diz a arqueóloga," mas não só a parte arqueológica me faz apaixonar todos os dias pelo Egito; mas também o seu povo, sorrindo, amigável e acolhedor. É um país muito aberto a países estrangeiros, em que, apesar do que as pessoas pensam, sempre me senti seguro e bem-vindo ".

Fonte: